3º Encontro Gaúcho de Tricô Tchê … onde bate o coração do tricô brasileiro!

Em 26 e 27 de junho estive em Gramado/RS participando do 3º Encontro Gaúcho de Tricô do grupo Tricô Tchê. Grupo que reúne mais de 15000 pessoas no Facebook e que se encontra mensalmente em Porto Alegre, cujas atividades,  físicas e virtuais, são organizadas por um grupo, Suzete Dienstmann Musse, Lucia Maria Schofen, Salete Pretto, Susana Delvan e Simone Mendonça Soares. Agradeço o convite para ministrar oficinas e fiquei encantada, tudo foi muito tranquilo e bem organizado.

Nos dois dias do encontro, muitas oficinas e momentos de descoberta…. grupos de tricô de todo canto do Brasil: Tecendo no Cerrado, Tricô da Baixada Santista, Tricô 40º, Tricota Curitiba, Tricotando em Sampa e tricoteiras de várias cidades do país, muito além do entorno de Porto Alegre e Curitiba, como Brasilia/DF, Santos/SP, Petrópolis/RJ Sorocaba/Sp, Uberlândia/MG, Marília/SP, Cabreúva/SP, Ribeirão Preto/SP entre outras. De fato, um encontro de ampla representação nacional, muito além da ideia que se poderia fazer de um encontro regional. Se tricô combina com frio, aconchego e hospitalidade, então o coração do tricô brasileiro pulsa no RS, o que faz entender como um grupo consegue reunir e agregar tantas pessoas de tantos lugares do país.

Para mim, foi um momento muito especial por várias razões: pela oportunidade de ministrar oficinas de tricô, conhecer tricoteiras eg grpos de vários lugares do país, fazer novas amizades e encontrar pessoas especiais que conheço de longa data mas que ainda não conhecia pessoalmente, como Valéria Garcia do blog Tricô em Prosa, Jud Martins do Jud Arts e Crestina Consorti do Strickerin von Beruf entre vários outros professores fantásticos que ministraram oficinas.

Partilho aqui alguns momentos das oficinas que ministrei e, em especial, o vídeo que além de contar e registrar esse momento, convida todas as tricoteiras para o 4 Encontro em Gramado em 2016, em junho. Certamente,  o sucesso se repetirá em maiores proporções.

Oficina “Tricotando com fita métrica”

Oficina ‘Top Down em quatro etapas”

Oficina “Tricô para Tilda”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Gola moebius em linha com apenas um novelo

As golas tricotadas em linha de algodão ou viscose são rápidas para fazer e podem ser usadas na meia estação e no inverno; um presente adorável. E podem ser feitas com apenas um novelo ou cerca de 100 gramas de fio.

Essa foi tricotada  com um novelo do fio Class da Aslan, agulhas circulares de 4.5 mm de 80 cm com 100 pontos. Ficou no tamanho perfeito para cobrir um decote V e inclusive pode cobrir a cabeça e transformar-se numa gola/gorro. Com três carreiras de meia 3 carreiras de tricô, na técnica möebius, básico e eficiente.

Velhos posts aqui no blog já explicaram a técnica moebius, para quem está iniciando, clique aqui: videos ou historinhas.

Pretendo tricotar várias para presentear, mas esse aí da foto, é meu! srsrs

Bom tricô!

Duas peças de uma vez em quatro agulhas de pontas duplas! Dicas e fontes sobre o tricô duplo

O tricô duplo é uma técnica ou um modo de tricotar pelo qual produzimos duas peças ao mesmo tempo. As receitas são as mesmas e exigem o domínio no manuseio das agulhas de pontas duplas e experiência com a receita de meias.  A questão é  manter o fio da peça de fora e de dentro sempre separados, pois um erro aí vai juntar as peças e fazer perder todo o trabalho.

Uma aluna de tricô aqui de Marília, a Delma Italiano, encontrou uma referência na internet e me falou a respeito. Aí comecei minha pesquisa e exercícios.

Essa técnica é chamada de “Anna Makarovna’s Secret Stocking”. Anna Makarovna é uma personagem do romance Guerra e Paz, do escritor russo L. Tolstoi, escrito em 1860. Quando a personagen terminava uma meia (melhor, um par), reunia a família  para mostrar a todos, em especial às crianças, as suas meias secretas, tiradno uma de dentro da outra. Essa técnica provavelmente deveria ser popular na Rússia, mas ainda assim, foi patenteada por umas espertalhonas americanas em 1875. Sobre essa história vejam o artigo Anna Makarovna’s patented stockings.

Há uma receita impressa a venda na Schoolhouse Press, escrita por Beverly Joyce, cuja referência é  Schoolhouse Press #06,  Anna Makarovna’s Secret Stockings e que pode ser encontrada a partir do Ravelry.

Outra opção é o passo a passo disponível online, no site da Knitty. A receita chama-se Extreme knitting: 2 socks in 1 de Kory Stamper.

Há um curso online, o que foi descoberto pela Delma Italiano, o Magic socks – knit 2 socks in 1 cuja instrutora é Kate Atherley. Esse curso ensina a tricotar as meias, usando cores diferentes para cada uma, para evitar confusão e ensina o calcanhar com short rows (carreiras encurtadas).

Eu queria fazer com a mesma cor, para não ter que tricotar duas meias para ter dois pares. Então continuei procurando e encontrei  um passo a passo em vídeo disponível no You Tube, que descobri depois de muitas pesquisas, testando os termos de procura. O problema é que a autora se propôs a colocar cinco vídeos, mas colocou apenas 04, não concluindo a meia. No vídeo 04, turning the heel, há um erro ao iniciar a curva do calcanhar. Mas quem quiser fazer e chegar até lá certamente descobrirá como consertar o erro sem problema.

E são estes os vídeos “2 socks on dpns – one inside the other socks on dpns “que sugiro para quem quiser fazer as meias com o fio da mesma cor e tricotar o calcanhar francês, que eu adoro!

Estou estudando para desenvolver estratégias para usar essa técnica em outras receitas.

Bom tricô!!!

Vídeo  1 – montagem e barra

Vídeo 2 – pernas

Vídeo 3 – calcanhar francês

Vídeo 4 – dobra do calcanhar

Redescobrindo o tricô: 2 em 1, meias e luvas em tricô duplo!

No pouco tempo que tenho tido ultimamente para tricotar, estou aprendendo e exercitando uma técnica fantástica: o tricô duplo. O double knitting normalmente refere-se a uma peça  com dupla face, que pode ser usada dos dois lados, portanto sem avesso.

Mas o tricô duplo, nesse caso  é outro. Imagine, tricotar um pé de meia e ao final, ter dois, o mesmo para as luvas ou mangas de casacos. Isso mesmo! Tricô dois em um.  Exige o dobro de atenção e paciência, contudo os resultados em termos da textura, rapidez e diversão compensam absolutamente.

Estou tricotando com dois métodos ao mesmo tempo, a peça externa, com método português  (fio no pescoço) e a interna com o método continental (fio na mão esquerda). Nem me atrevo a dar explicações aqui, porque realmente é um exercício trabalhoso, que exige domínio do tricô em agulhas de ponta duplas e claro, de como fazer as peças.

Minha primeira tentativa foi com as meias, fiz até a metade com a técnica dupla depois, separei e finalizei cada um. Agora estou tricotando as luvas que já já sairão das agulhas, e, em tempo recorde!

Abraços!

[Receita Prática] Colete Corriedale em top down – Parte Final

A primeira parte da receita do Colete Corriedale  com fio Fiolã está nesse link: http://wp.me/p1593E-18w

Parte Final:

Separar as mangas do corpo:

Comece tricotando a frente, quanto chegar ao primeiro eixo do raglan coloque os pontos da manga num fio e aumente 6 pontos (cava) usando o metodo cast on (3 pontos, coloque marcador, 3 pontos), tricote os pontos das costas e separe a segunda manga, colocando os pontos num fio, aumente novamente mais seis pontos (cava) e tricote a parte da frente. O marcador no meio dos seis pontos aumentados marca a separação entre a frente e as costas, de cada lado.

Pronto, mangas e corpo estão separados.

Tricote por 18 carreiras. Então  inicie o ajuste para o acinturamento da peça.

Entenda: Para acinturar a peça devem ser feitos diminuições. Para centralizar a diminuição conte o número de pontos da frente, e das costas, sem considerar os seis pontos da cava . Portanto (pontos da frente= 6 da cava+ pontos das costas+ 6 cava+ pontos da frente). Divida o total de pontos da frente  e centralize dois pontos; nas costas, calcule a metade e depois centralize  dois pontos em cada metade . Porque? porque a diminuição será feita na frente e nas costas. Na cava deverá ser diminuído 1  ponto de cada lado, logo a cava perderá dois pontos.

Na carreira 19 inicie a  carreira pelo direito e faça a diminuições nos pontos marcados fazendo um ssk , tricote os dois pontos centrais, 2 pontos juntos em meia, tricote até dois pontos antes do marcador, faça 1 ssk, tricote 1 ponto meia, passe o marcador, 1 ponto meia, dois pontos juntos em meia, continue tricotanto até 2 pontos antes do marcador das costas, dois juntos, 2 meias, 1 ssk, tricote até  dois pontos antes do marcador, 1 ssk, dois pontos meia, 2 pontos juntos, tricote até a cava repetindo o que foi feito para a cava anterior e frente.

Na carreira 20, avesso, tudo em tricô.

Na carreira 21 repita apenas as diminuições da frente e costas ( na cava as diminuições são feitas apenas uma vez).

Tricote por mais 12 carreiras e aumento os pontos que foram diminuídos nas frente e nas costas, um vez. Então continue até atingir 30 ou 32 cm (ou até a altura desejada)

Faça  o acabamento em barra torcida 1/1 nas mangas e nas laterais das frentes. Por último, levante os pontos em volta do decote e tricote quatro carreiras em barra torcida 1/1.

Dica: levante os pontos para o acabamento com um agulha mais fina do que a usada para fazer a barra, isso deixará o acabamento mais perfeito.

Bom tricô!

[Receita Prática] Colete Corriedale em top down – Parte 01

Um colete simples e bem rapinho, para abrir os trabalhos de inverno.

Foi assim que tricotei esse colete top down acinturado. Aqui segue a primeira parte, depois publicaremos as orientações para o ajuste do busto, centralização da modelagem para a cintura e barras de acabamento.

A beleza da peça vem do fio artesanal;  os furinhos no eixo do raglan dão leveza a peça.

Materiais:

agulhas circulares de 7mm  e 6mm

340 gramas de lã corriedale Fiolã,  na cor marrrom natural, fio espessura média Coleção Brinco de Princesa

Marcadores coloridos

Noções Básicas:

Meia frente e costas (kfb)

Aumento tipo cast on ou aumento tricotado

Medidas:

O tamanho do busto foi calculado para 102 cm

Medidas da peça finalizada: 50 cm comprimento total – 20 cm para a cava (medida plana), 30 restante. Medida tomada a partir do alto do ombro. Medida total da peça aberta: 86 cm.

Amostra: 10 cm= 13 pontos

Cava: 23 cm ( medido sobre a linha do raglan)

Montagem inicial, antes de começar com as laçadas para o aumento do raglan:

1 meia (frente esquerda), 1 meia (eixo do raglan), 8 (mangas 01), 1 (eixo do raglan), 20 (costas), 1 (eixo do raglan), 8 (manga 02), 1 (eixo do raglan), 1 meia (frente direita) =42 pontos

Tricote uma carreira em ponto tricô, colocando os marcadores como segue: 1 t, marcador, 1 t, marcador, 8 t , marcador, 1 t, marcador, 20 t, marcador, 1 t, marcador, 8 t, marcador, 1 t. (total na agulha=42 pontos)

Atenção: essa carreira de montagem define a estrutura do trabalho.  Depois de montar, é feito um carreira em tricô e na seguinte inicia-se o direito do trabalho. Por que? Porque a montagem cria meia no direito e tricô no avesso, portanto a o que parece ser a primeira carreira, observando-se o desenho, já seria a segunda, portanto, o avesso. Quando na receita esta escrito marcador é apenas para passar o marcador de uma agulha para outra.

A partir daí, basta seguir o eixo do raglan tricotando meia no direito e tricô no avesso, até atingir a altura desejada da cava, como segue:

Direito: 1 meia, laçada, marcador,1 meia,marcador, laçada, (manga) meia até o próximo marcador , laçada, marcador, 1 meia, marcador,laçada, (costas) meia até o próximo marcador, laçada, marcador, 1 meia, marcador, laçada, (manga) meia até o marcador, laçada, marcador, 1 meia, marcador, laçada, 1 meia.

Avesso: em t ricô

Repetir por seis carreiras.

Inicie o trabalho do decote. Segundo as carreiras acima, apenas faça um aumento (kfb, meia frete e costas) no meia do início e final da carreira por quatro carreiras de direito. Para finalizar o decote, aumente seis pontos no início das duas próximas carreiras.

Então continue seguindo os aumentos  até atingir 23 cm de altura da cava, medida sobre a linha do raglan.

Bom final de semana a todos,